Tim(88)9761-4880

Golpe com WhatsApp fez 50 vítimas no Ceará

Polícia investiga se criminosos aplicaram golpes contra prefeitos ou prefeituras cearenses

Cinquenta pessoas no Ceará foram alvo de uma nova modalidade de golpe aplicada no país, com auxílio do aplicativo WhatsApp. Em todo o Brasil, mais de cinco mil vítimas já denunciaram a fraude. O grupo criminoso conseguia resgatar o número de celular de seus alvos e conversava com amigos e familiares como se fosse o dono do telefone. 

De acordo com o Departamento de Inteligência Policial (DIP), responsável pelas investigações, com a primeira parte do crime definida, os suspeitos pediam que as pessoas fizessem transferências que podiam chegar a R$ 80 mil. O argumento utilizado em cada abordagem era diferente e dependia do perfil da vítima. Para algumas pessoas, os criminosos pediam dinheiro para trocar pneu, comprar eletrodoméstico, necessidades básicas e até comprar carro. 

Vítimas foram escutadas, segundo a Polícia Civil, que diz ter avançado bastante nas investigações. Alguns suspeitos já foram identificados. Dentre eles, um dos chefes da quadrilha interestadual. Outras pessoas são investigadas por participação direta ou indireta no crime. As diligências apuram se houve envolvimento da organização criminosa em golpes contra prefeitos e prefeituras cearenses. 

Para o delegado Julius Bernardo, diretor do DIP, os criminosos utilizavam várias pessoas para conseguir atingir seus objetivos. Contas de laranjas eram usadas para os depósitos. "É um trabalho complexo e já ouvimos diversas pessoas. Sabemos que o golpe era bem estruturado, contando com a participação de vários envolvidos", disse. 

Com a divulgação do golpe, a Polícia Civil espera que outras vítimas cearenses formalizem uma denúncia.

06 de DEZ de 2018 às 09:10:41
Fonte: C News
imagem

Cinquenta pessoas no Ceará foram alvo de uma nova modalidade de golpe aplicada no país, com auxílio do aplicativo WhatsApp. Em todo o Brasil, mais de cinco mil vítimas já denunciaram a fraude. O grupo criminoso conseguia resgatar o número de celular de seus alvos e conversava com amigos e familiares como se fosse o dono do telefone. 

De acordo com o Departamento de Inteligência Policial (DIP), responsável pelas investigações, com a primeira parte do crime definida, os suspeitos pediam que as pessoas fizessem transferências que podiam chegar a R$ 80 mil. O argumento utilizado em cada abordagem era diferente e dependia do perfil da vítima. Para algumas pessoas, os criminosos pediam dinheiro para trocar pneu, comprar eletrodoméstico, necessidades básicas e até comprar carro. 

Vítimas foram escutadas, segundo a Polícia Civil, que diz ter avançado bastante nas investigações. Alguns suspeitos já foram identificados. Dentre eles, um dos chefes da quadrilha interestadual. Outras pessoas são investigadas por participação direta ou indireta no crime. As diligências apuram se houve envolvimento da organização criminosa em golpes contra prefeitos e prefeituras cearenses. 

Para o delegado Julius Bernardo, diretor do DIP, os criminosos utilizavam várias pessoas para conseguir atingir seus objetivos. Contas de laranjas eram usadas para os depósitos. "É um trabalho complexo e já ouvimos diversas pessoas. Sabemos que o golpe era bem estruturado, contando com a participação de vários envolvidos", disse. 

Com a divulgação do golpe, a Polícia Civil espera que outras vítimas cearenses formalizem uma denúncia.

06 de DEZ de 2018 às 09:10:41
Fonte: C News